Quero ver o oco – RAIMUNDOS

Fizera pouco em tê-lo deixado
Todo quebrado, desfigurado
Irreconhecível até pra mãe

Mãe, olha só que legal
Carro que eu ganhei no Natal
Tu que me deu, disse
Cuidado pra que não arranhe

Menino doido, tu quebrou até os friso
Tem noção do prejuízo?
Acho que o teu véio vai te matar

Os olhos dele esperando o carro do ano
Um modelo italiano que acabaram de inventar

Carrão da porra, tu pisava ele voava
Tu freava, ele ancorava
E eu lá dentro a me debater

No bate-bate com a cabeça no volante
Voei pelo, vidro da frente
A raiva preta eu não pude conter

Com o sangue quente, cortei a testa
Quebrei os dente e toda aquela gente
Peste! Num vem ninguém me ajudar

Nem se mexiam, pior que isso eles riam
Teto preto, o tempo fecha
Os ‘zóvo inflama, ora do pau cantar

Eu quero é ver o oco
Só na mãozada eu deitei seis, mas detestei matar
Eu quero é ver o oco
Sem controle, tocando fole, é o hora de dançar

Meu ódio por automotores começou cedo
Depois que eu tranquei os dedo na porta dum opalão

Meu pai de dentro se ria, que se mijava
Achou que o filho festejava
Era dia de Cosme e Damião

Depois do dedo, foi o braço, a perna as costa
Tu duvida, bate aposta
Pois muitos vão lhe testemunhar

Tanta fratura que deixá doutora louca
É pino até no céu da boca
Tu cansa só de tentar contar

Eu quero é ver o oco
É pedir muito uma enfermeira vir me ajudar?
Eu quero é ver o oco
Ó enfermeira, gente boa, vem me medicar

Eu quero é ver o oco
Eu quero é ver o oco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s