“Hija de la Música”, poema de Olga Lucía Betancourt

“Imposible separar el infinito de la muerte,la muerte de la música y la música de lamelancolía...” - Emil Cioran ¡La Música! Señora de mi alma,de mi piel, de mis sentidos.Amante de mi vida. Un pentagrama en tonos menores,Aria para mi desamparoy Coraza contra la Soledad. Tal vez fui un pianobajo la intensidad de Chopin.o el … Continuar lendo “Hija de la Música”, poema de Olga Lucía Betancourt

Pode algum compositor igualar-se a Bach? (Clemency-Burton Hill)

BBC, 17 de setembro de 2014 ("Can any composer equal Bach?") Quase 300 anos após sua morte, Johann Sebastian Bach continua sendo o padrão-ouro da música clássica. Clemency-Burton Hill explora a razão disso. No programa do café-da-manhã da Rádio BBC 3 nós temos uma seção chamada Bach antes das 7. Toda manhã semanal, antes das … Continuar lendo Pode algum compositor igualar-se a Bach? (Clemency-Burton Hill)

Meditação musical

A meditação musical deveria ser o protótipo do pensamento em geral. Por acaso algum filósofo seguiu um motivo até o fundo, até tocar o seu limite e esgotá-lo, tal como faz um Bach ou um Beethoven? O pensamento exaustivo só existe na música. Depois de ler os pensadores mais profundos, sentimos a necessidade de recomeçar … Continuar lendo Meditação musical

Cioran & a música de Bach, “geradora de divindade”

Emil Cioran amava Bach acima de tudo. Se a Música era para ele a quintessência da “cultura”, e a única justificativa da Humanidade, Bach era a quintessência da Música: um Deus musical. A sua obra como um todo está cheia de elogios à Música em geral e a Bach em particular. Nos Silogismos da amargura (1952), este aforismo: … Continuar lendo Cioran & a música de Bach, “geradora de divindade”